Poesia, música e poemúsica

Escrevo poesia desde 2014, mas sempre tive vergonha de publicar. Depois de relutar me expor, por motivos que explico aqui, em 2017 comecei a publicar no Medium, adquiri um público e, em 2018, com um bom volume de poemas, decidi: publicaria um livro.

Cansado das publicações tradicionais e sem paciência (nem influência) pro mercado editorial, resolvi fazer as coisas do meu jeito.

Em fevereiro de 2019 publiquei o livro “Entre caracteres e áudios abafados nós fomos eternos” em dois formatos: ebook e áudiolivro. Cada poema tinha uma versão em áudio com fundo musical.

A partir daí, investi em outros projetos similares, chegando ao que chamo hoje de poemúsica.

Entre caracteres e áudios abafados nós fomos eternos: De título desnecessariamente longo, são 67 poemas e 56 faixas de áudio musicais. O livro aborda relacionamentos pós-modernos: áudios no WhatsApp, fotos em redes sociais e o famoso webnamoro (só não cito Bauman porque todo estudante de humanas se incumbe disso).

A eternidade é agora: 5 poemas, 5 músicas e 5 fotografias. Falando (pela primeira vez de forma totalmente otimista) sobre amor e relacionamentos, o projeto reforçou minha ideia de fazer poesia de uma forma não habitual, com ritmo, musicalidade e sendo acessível sem soar simplório.

Em busca do silêncio confortável: 4 poemas, 5 músicas e 4 fotografias. Dando continuidade ao ebook/EP anterior, falei de relacionamentos de uma forma um pouco mais obscura e complexa, mas ainda otimista. Explorei temas como saúde mental e a influência disso na comunicação de um casal.

Explodindo Mindsets: De título sarcástico, são 12 poemas, 12 músicas e 12 peças visuais abordando temas como relações trabalhistas, a forma como lidamos com dinheiro, consumismo e saúde mental no mercado de trabalho.