Ubersuggest 2.0: como aproveitar a ferramenta SEO gratuita

Eu já usei muitas ferramentas. Já vi pesquisei palavras-chave no Google Keywords, no Google Trends e outras ferramentas. Todo mundo conhece o Ahrefs. A mais completa da área é SEMrush.

O grande problema é que essas ferramentas ou são incompletas, de forma que você precisa combinar várias delas no seu dia a dia, ou são pagas, como o SEMrush.

E é pra acabar com esse problema que eu apresento pra você que ainda não conhece o Ubersuggest.

Talvez você já conhecesse antes, quando ele era só uma ferramenta de sugestão de palavras-chave. Mas, com essa atualização, ele se tornou bem mais que isso. E aqui nesse texto vou falar um pouquinho sobre ele e sobre minha experiência usando o Ubersuggest 2.0.

O que mudou na última atualização?

Eu sou fã do Neil Patel. E, desde que ele comprou a Ubersuggest e a incorporou ao seu site, a ferramenta vem passando por melhorias significativas.

A última atualização, chamada de Ubersuggest 2.0, incrementou algumas funções.

Antes, a ferramenta só tinha duas funções:

  • Dados sobre a palavra-chave, como volume de buscas e competição pela palavra-chave (que era um número meio vago).
  • Sugestões de palavra-chave (daí o SUGGEST, tá ligado).

Agora é assim:

  • Visão geral: mostra os números principais e um resumo das outras abas.
  • Ideias de palavra-chave: a mesma função que já existia na versão anterior.
  • Análise da SERP: mostra os 100 primeiros resultados do Google para aquela palavras-chave.
  • Ideias de conteúdo: título autoexplicativo, mas essa aba ainda não está funcionando. Por isso tá apagadinha, assim como a parte “analisador”.

Aqui vou falar um pouco sobre o funcionamento de cada aba e como você pode usar pra sua estratégia.

As funções do Ubersuggest 2.0

Visão geral

É isso que você quando pesquisa uma palavra-chave.

Essa aba mostra quatro números principais:

  • Volume de busca: quantas buscas a palavra-chave em questão tem por mês.
  • SEO difficulty: essa métrica diz, de 0 a 100, qual a dificuldade de rankear organicamente no Google.
  • Paid difficulty: essa diz a dificuldade de conseguir uma boa posição pagando uma grana pro tio Google.
  • Custo por Clique (CPC): o título é autoexplicativo. Esse é o valor que você pagaria ao Google por cada clique no seu anúncio nessa palavra-chave específica.

Logo abaixo há um gráfico mostrando o volume de buscas da palavra-chave no decorrer dos últimos doze meses.

Em seguida, há um resumo das ideias de palavras-chave relacionadas a essa que você consultou.

E, por último, um resumo da análise da SERP (principais resultados orgânicos do Google pra palavra-chave).

Próxima aba:

Ideias de palavra-chave

Essa é a tela dazideia de palavras-chave.

Essa aba mostra dezenas (ou centenas) de palavras-chave relacionadas à que você pesquisou.

Se você pesquisou “conteúdo”, vai encontrar as sugestões “conteúdos”, “conteúdo pragmático”, “conteúdo sinônimo” etc.

Ao lado da palavra-chave sugerida, há quatro números que já vimos na visão geral:

  • VOL: volume de buscas.
  • CPC: custo por clique.
  • PD: paid difficulty.
  • SD: SEO difficulty.

Há a opção de marcar as palavra-chave que te parecerem mais interessantes e exportar pra um documento do Excel e também copiar pra área de transferência.

Tudo que você precisa, enfim.

Outra aba:

Análise da SERP

Agora a análise da SERP.

Essa aba apresenta os cem primeiros resultados no Google para a palavra-chave que você pesquisou. SERP significa Search Engine Results Page. Em português, página de resultados do mecanismo de busca.

A tabela mostra o seguinte:

  • Posição do link na SERP: vai do primeiro resultado ao centésimo.
  • Título SEO e URL: mostra o título do link que é apresentado nos mecanismos de busca e o link que você pode acessar.
  • Domínio raiz: diz o domínio ao qual o resultado pertence.
  • Visitas estimadas: mostra quantas visitas provavelmente determinado link provavelmente vai ter. Essa é uma das funcionalidades mais interessantes, mas é óbvio que é imprecisa. Apesar de ser apenas uma estimativa, continua sendo muito útil pra você ter uma ideia de quantos acessos orgânicos vai conseguir em cada posição da SERP.
  • Compartilhamentos sociais: quantas vezes tal link foi compartilhado em redes sociais.
  • Pontuação do domínio: vai de 0 a 100 e indica a reputação de cada site.

Também há a opção de exportar isso tudo pra um documento Excel.

Como usar o Ubersuggest na prática

Em outro artigo falei um pouco sobre o marketing de busca, ou SEM. Ali eu falo um pouco sobre como usar o SEO pra fazer marketing efetivamente.

E, dentre as ferramentas gratuitas, o Ubersuggest é o melhor na minha opinião pra fazer isso.

Vou dar um passo a passo simples:

1. Procure ideias de palavra-chave

Primeiro você digita uma palavra-chave principal. Se seu negócio é de gastronomia, pesquisa lá: “gastronomia”, ou “receitas”, algo do tipo.

Vai na aba de ideias de palavra-chave e vê quais são mais interessantes pra você produzir conteúdo.

Sugiro que pegue as que tiverem SEO difficulty abaixo de 30, que são sinalizadas como fáceis.

Se for fácil e o volume de buscas for alto, perfeito. Mas, se não for, não tem problema. Mesmo que a palavra-chave só tenha 190 pesquisas mensais, esse é um tráfego que vai sempre entrar no seu blog se você estiver rankeando no topo do Google.

Mas, se seu nicho for pouco competitivo, sugiro que pegue palavras-chave sempre mais mais de 1000 pesquisas mensais. Tá perfeito.

2. Pesquise os resultados principais da SERP

Veja pelo menos os dez primeiros resultados da SERP. Leia os artigos, veja quantos compartilhamentos esses conteúdos tiveram e quantas são as visitas estimadas pra cada resultado.

Se esses resultados são os primeiros, é porque eles atendem melhor ao que o usuário pesquisa. Se o resultado é o primeiro, é porque o Google sabe que esses conteúdos são os favoritos dos usuários.

E é esse posição que você precisa ocupar, jovem. Mas agora vamos pro último e mais importante passo:

3. Escreva o conteúdo

Escreva um conteúdo melhor que os resultados que você analisou com aquela palavras-chave.

Faça uma otimização on page, ou seja, aplique princípios básicos de SEO no seu conteúdo. Coloque a palavra-chave no título, na introdução, no fim do artigo e em intertítulos (sem abusar). E em seguida publique no seu blog.

Simples, né?

Um dos pontos mais importantes da produção de conteúdo é se colocar no lugar do usuário.

Se você pesquisasse “ubersuggest como usar”, o que você gostaria de encontrar? O artigo que você escreveu é exatamente o que você gostaria de ler? O texto abrange o que os primeiros resultados dizem? O conteúdo é ainda melhor que o dos primeiros resultados?

Considerar essas perguntas é importante para escrever melhor. O SEO On Page vai além disso, óbvio. É necessário que você dê atenção à estrutura do seu site, criando sitemaps e arquivos robots.txt, por exemplo. Isso Mas nada disso é complicado. Relaxa, você consegue.

E, se quiser mais ajuda nisso, se inscreve na minha newsletter:​

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *